Fique por dentro

Assista novamente à transmissão do Transformar 2017

06 de abril de 2017

comentar

O que você achou do Transformar 2017?

04 de abril de 2017

  1. Sua opinião é muito importante para nós. Se você participou presencialmente do Transformar 2017, ajude-nos a melhorar cada vez mais respondendo ao questionário de avaliação do evento.
    Você encontra o formulário no link abaixo:

comentar

Acompanhe o Transformar 2017 ao vivo

04 de abril de 2017

comentar

Saiba como sintonizar o seu rádio durante o Transformar 2017

03 de abril de 2017

Liberdade de escolha!
Se você está participando presencialmente do Transformar, pode ouvir a palestra que quiser, de onde estiver. É só selecionar o canal no rádio. Confira os números dos canais:

    

comentar

Faça perguntas aos palestrantes do Transformar 2017

03 de abril de 2017

Se você está participando presencialmente do Transformar, você pode enviar perguntas para os nossos palestrantes. Como? Acesse o aplicativo https://www.sli.do/
No campo “join” digite o código do palco a ser direcionada a pergunta:

Digite sua pergunta e o nome do palestrante no campo “type your question”.
Se identifique no campo “add your name”.

comentar

Transformar inova na experiência para discutir futuro da educação

01 de setembro de 2015

Quatro palcos, um espaço com ferramentas tecnológicas para promover o aprendizado e um laboratório maker. Esse foi o cenário, sem paredes, que proporcionou uma experiência inovadora a cerca 900 gestores, educadores, investidores, empreendedores e lideranças sociais que passaram o dia reunidos no Espaço Vila dos Ipês, em São Paulo, nesta terça-feira, na terceira edição do Transformar. Promovido pelo Inspirare/Porvir, Fundação Lemann e Instituto Península, o evento reuniu especialistas e representantes de experiências inovadoras em educação de sete países para debater temas como currículo e transdisciplinaridade, competências para a vida no século 21, conectividade e empreendedorismo em educação.

Para acompanhar a maratona de debates, todos os convidados receberam fones de ouvido e tiveram que fazer escolhas: como tudo acontecia ao mesmo tempo, cada participante pode personalizar sua experiência no encontro. Enquanto em um palco a secretária de educação de Helsinque relatava as mudanças curriculares que estão em curso na Finlândia, em outro ao lado o presidente-executivo do Plano Ceibal, do Uruguai, contava como conseguiu conectar todas as escolas à internet banda larga no país. Ao mesmo tempo, também era possível realizar uma oficina de instrumentos musicais num laboratório de fabricação digital, promovido pelo Programaê! em parceria com o FabLearn, ou aprender sobre ensino híbrido no espaço de experimentação de tecnologias educacionais.

Crédito: Luciana Serra

Crédito: Luciana Serra

“Resolvemos colocar em prática algumas das ideias que defendemos e derrubamos as paredes do nosso evento. A ideia é permitir que vocês tenham mais autonomia e possam aproveitar o evento de forma personalizada”, explicou Anna Penido, diretora do Inspirare, no início do encontro.

Como todos estavam no mesmo ambiente, a interação entre os convidados foi facilitada, e ao longo de todo o dia, muitos aproveitaram para trocar ideias e fazer novos contatos, sem que isso atrapalhasse a dinâmica da programação. Quem queria prestar atenção nas palestras recebia o sinal da transmissão por rádio. Quem preferia fazer uma pausa, podia deixar o fone de lado.

Confira a galeria de fotos do #Transformar2015.

Um dos principais destaques da agenda, a finlandesa Marjo Kyllonen abriu o evento falando das mudanças necessárias no currículo para acompanhar as novas demandas do século 21 e aproximar a escola do mundo real. “Devemos nos concentrar no desenvolvimento da colaboração e de competências sociais para que os alunos se tornem pessoas responsáveis no futuro”. À tarde, quando Kyllonen voltou a outro palco para continuar essa conversa com Nuricel Vilallonga, do Instituto Alpha Lumem, e Jennifer Adams, diretora do departamento de educação de Ottawa, no Canadá, dezenas de perguntas foram encaminhadas a elas sobre o tema.

O movimento maker nas escolas, demonstrado ao vivo no Fablab montado no espaço, foi também abordado por Paulo Blikstein, professor da Escola de Educação e do Departamento de Ciências da Computação de Stanford, em um dos palcos. O brasileiro disse que inovações como laboratórios de criação maker precisam chegar à escola pública para fazer com que o aprendizado faça sentido para o aluno. Além disso, defendeu que a pesquisa acadêmica precisa tratar dos resultados do movimento maker. “Existe um ciclo para compra de um monte de equipamentos, mas todo mundo se esquece de medir o impacto. Essas tecnologias empoeiram e a TV diz que elas não funcionam”, afirmou, explicando que há cinco anos se dedica a isso em Stanford para que o ciclo não se repita.

transformar2

Além de palestras de especialistas, o Transformar 2015 também abriu espaço para que oito professores brasileiros, distribuídos nos quatro palcos simultaneamente, apresentassem experiências inovadoras com uso de tecnologia em escolas públicas. Em um deles, Eric Rodrigues, da Escola Municipal Emílio Carlos, no Rio de Janeiro (RJ), e Cleide Torres, da Escola Estadual Jardim Riviera, em Santo André (SP), mostraram diferentes realidades para implementação do ensino híbrido, metodologia que combina ensino online e offline. No primeiro caso, um professor motivado em uma escola com infraestrutura deficiente, enquanto no segundo a tecnologia demandou todo um trabalho de apropriação por parte dos professores.

Entre as tendências mais recentes discutidas durante o evento estão as novas formas de avaliação e certificação de aprendizados. O tema foi debatido à tarde, em um palco também muito concorrido, com a presença de Kimberly O’Malley, executiva do grupo Pearson, Nate Otto, diretor da organização de microcredenciais Badge Alliance, e Natacha Costa, diretora da Associação Cidade Escola Aprendiz. Eles relataram iniciativas que dão conta de avaliar e certificar competências como criatividade e trabalho colaborativo. No futuro, disse Otto, diplomas acadêmicos tendem a valer menos, o ensino passará a ser menos linear e, ao invés de um currículo, ganhará importância o portfólio de experiências. Ao falar de badges, representações simbólicas de aprendizado, ele mostrou como na Califórnia já foi criado um tipo de passaporte que acumula os feitos alcançados por alunos em diversas experiências, dentro e fora da escola.

A última palestra, realizada por Geoff Mulgan (leia a entrevista completa), diretor executivo do Nesta (Fundo Nacional para a Ciência,

Tecnologia e Artes do Reino Unido), trouxe um panorama das inovações educacionais pelo mundo. Novamente, o palestrante estimulou a interação entre os convidados e provocou a plateia a refletir sobre o que é inovar em educação e se os temas abordados durante todo o dia seriam realmente disruptivos ou apenas modismos. Para ele, a inovação não pode se restringir à educação. “Não precisamos de inovação em educação, mas de um sistema que leve inovação à economia e à sociedade”, concluiu.

Tags:
comentar