Como prevenir o HPV oral 

Como prevenir o HPV oral 

O HPV oral é uma doença contagiosa que afeta a mucosa bucal por meio de feridas que entram em contato direto com lesões genitais. Essa contaminação acontece geralmente durante o sexo oral desprotegido ou, em casos mais raros, através do beijo.

Também conhecido como papilomavírus humano, essa é uma patologia majoritariamente silenciosa, mas que em alguns casos apresenta sintomas nos tecidos orais – sendo mais frequente a aparição de verrugas ou nódulos ásperos nas bordas da língua, lábios e palato.

O HPV oral é um dos principais agravantes na tendência ao desenvolvimento do câncer de boca ou garganta, exibindo sintomas como:

  • Rouquidão permanente;
  • Dificuldade na deglutição;
  • Dores na boca ou na garganta que não passam;
  • Caroço nas bochechas ou no pescoço;
  • Sensação de objeto preso na garganta.

Contudo, esses sintomas apenas aparecem quando as verrugas do HPV se tornam um câncer mais avançado. 

Por isso, fazer o acompanhamento frequente com um dentista – por meio do auxílio de um convenio odontologico – é essencial para possibilitar a identificação dessas lesões em estágios mais precoces.

Diagnóstico e tratamento

Como prevenir o HPV oral 

Normalmente, são os próprios dentistas que encontram essas feridas e encaminham o paciente para uma biópsia, que irá diagnosticar a procedência da lesão e qual tipo de HPV é o causador da infecção.

Esse profissional indicará, também, o acompanhamento com um infectologista, ginecologista ou urologista.

No entanto, o paciente também pode notar por si mesmo o aparecimento de nódulos que não cicatrizam. Neste caso, é importante procurar a assistência de um plano odontologico para confirmar o diagnóstico.

O tratamento não é necessário na maioria dos casos menos graves, uma vez que essa doença raramente apresenta sintomas, mas demandam atenção.

Apesar disso, quando acontecem as feridas bucais, é preciso a realização de tratamentos cirúrgicos para a remoção dessas verrugas, sessões de lasers ou o uso de medicamentos de peeling químico e antivirais.

Além da remoção dos nódulos, é necessário a realização de exames que confirmem a eliminação de todas as lesões. Contudo, o vírus é muito dificilmente eliminado por completo do organismo e, por isso, essa é considerada uma doença sem cura.

Assim, os nódulos podem voltar a aparecer com o tempo e a utilização dos benefícios de um convenio odontologico empresarial pode garantir a realização de consultas frequentes com o dentista, o que auxilia na identificação das recorrências e melhor acompanhamento.

Formas de prevenir o aparecimento dessa doença

Considerando a gravidade das consequências e a dificuldade de eliminar esse organismo do corpo, a prevenção é a melhor opção para a preservação do bem-estar e da plena saúde do paciente e de seus parceiros.

Desta forma, é fundamental a realização de algumas precauções nas rotinas das pessoas.

Vacinação

A vacinação contra o HPV é a forma mais efetiva de evitar a contaminação e está disponível no sistema público de saúde para meninas entre 9 e 14 anos, meninos entre 11 e 14 anos ou para todos os pacientes que possuam HIV e tenham entre 9 e 26 anos.

Mas essa vacina também é efetiva nos pacientes mais velhos e que já tenham tido a doença, e pode ser encontrada no sistema privado de saúde.

Visitas constantes ao dentista

Como dito anteriormente, a identificação do problema em estágios iniciais é fundamental para evitar a complicação do quadro e o desenvolvimento de feridas cancerígenas.

Assim, as consultas de rotina com o dentista – que são barateadas e facilitadas por meio do plano odontologico empresarial – devem ser feitas a cada seis meses.

Desta forma, além de identificar surgimento desse tipo de lesões, o médico pode encontrar e tratar outras doenças que comprometem o organismo e enfraquecem o sistema imunológico, deixando o corpo ainda mais suscetível às ações virais.  

Mais ainda, a utilização dos serviços de assistência médica comercial, como o plano odonto empresarial, permite a extensão desses benefícios para os familiares e beneficiários do titular.

Uso de proteção durante o ato sexual

O uso de proteção durante as relações sexuais, inclusive o sexo oral, é fundamental para reduzir as chances da contaminação e o espalhamento dessa doença. 

Além disso, é recomendado que os pacientes sexualmente ativos realizem exames de ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis) uma vez ao ano.

Esses exames são disponibilizados gratuitamente pelo SUS e identificam, também, HIV, sífilis e hepatites B e C. Além de tudo, o exame pode ser feito de forma anônima.

Conteúdo desenvolvido pela equipe do Conviva Melhor, blog criado com o intuito de melhorar a saúde e o bem-estar por meio de conteúdos que reforçam a importância dos cuidados regulares.

Leia também: Dicas para cuidar da higiene bucal diariamente